arquivo de Jun, 2010

Quando for grande quero ser Filantropa

29
Jun
2010

E a primeira reacção de toda a gente é partirem-se a rir, como se eu estivesse a dizer uma tolice de criança. Eu digo muita coisa deste género, para dizer a verdade, mas não me canso de as dizer. Algumas chegam a acontecer.

Eu sempre tive esta forma ingénua de acreditar nas pessoas. Não sei bem de quem o herdei, mas talvez do meu avô que dizia sempre “quem recebe deve, quem dá tem a haver”. Não sei porque razão isto me ecoa tanto nos ouvidos agora, quando faço 22 anos. Olhando para a minha vida eu sou um poço de sorte. Só me acontecem coisas boas, felizmente. É tudo tão fácil e bonito que parece que é quase tudo dado em bandeja de prata.

Não sei se é esta sensação de ter tanto, que me faz querer partilhar tudo também. Apetece-me partilhar risos, momentos, vitorias, derrotas. Apetece-me partilhar vida! Apetece-me dar às pessoas um bocado daquilo que eu tenho, sejam coisas, dinheiro ou esta felicidade infantil. Não porque ache que tenho a mais, apesar de isso ser discutível, simplesmente porque há alguém que vai fazer melhor uso disso.

Eu acredito cada vez mais no principio ” se eu te fizer um favor, um dia, quando eu precisar, vai haver alguém a fazer o mesmo por mim”. Por isso apetece-me fazer coisas pelas pessoas. Apetece-me dar um pouco de mim a quem gosto. Não me importava de trabalhar de graça, se comer não dependesse disso. Não tenho ambição em ter muito dinheiro, um grande carro ou uma grande casa… Tenho ambição de ter coisas para dar quando mas pedirem. Se para isso é preciso ter dinheiro, acreditem que eu vou ficar rica. Acreditem também que vou ficar rica assim, de favor de outros. Porque é possível ter contas de favores.

Ao principio custa, como qualquer investimento, é preciso dar umas quantas coisas sem retorno. Mas um dia hade alguém de nos dar alguma coisa, ou porque nós já o ajudamos, ou porque sabe que se precisar nós lá estaremos. E este ciclo vai crescendo até começar a dar lucros. Podem não ser lucros em dinheiro, nem em número de favores, mas de certeza que a satisfação que se tem por se ter ajudado alguém não tem preço. E não há maior riqueza no mundo, porque quanto mais se dá, mais se tem para dar.

Um dia eu vou ser filantropa. Vou montar uma associação ou coisa que o valha, que acredite essencialmente em pessoas, que acredite no bem das pessoas. Será uma “casa” onde não é o dinheiro que conta para sermos ricos, mas a disponibilidade para darmos o que temos. E o lema dessa casa será este:

“Quem recebe deve, quem dá tem a haver.” – Luís Amorim

Inté,

Inês

P.S. –> para quem não sabe o que é a Filantropia tem aí a definição, mas pelo amor da santa, não olhem para a lista de nomes que são dados como exemplos de Filantropos, da qual constam nomes como os da Paris Hilton, Lindsay Lohan e Britney Spears… A dizer a verdade a lista quase só tem tem cantores famosos -_-‘ fiquem-se pela definição.