arquivo de Nov, 2009

Eu tenho saudades

11
Nov
2009

Eu tenho saudades. Eu tenho saudades. Eu tenho saudades. Eu tenho saudades. Eu tenho saudades. Eu tenho saudades.

Eu tenho saudades. Eu tenho saudades. Eu tenho saudades. Eu tenho saudades. Eu tenho saudades. Eu tenho saudades.

Eu tenho saudades. Eu tenho saudades. Eu tenho saudades. Eu tenho saudades. Eu tenho saudades. Eu tenho saudades.

Eu tenho saudades. Eu tenho saudades. Eu tenho saudades. Eu tenho saudades. Eu tenho saudades. Eu tenho saudades.

Eu tenho saudades. Eu tenho saudades. Eu tenho saudades. Eu tenho saudades. Eu tenho saudades. Eu tenho saudades.

Eu tenho saudades. Eu tenho saudades. Eu tenho saudades. Eu tenho saudades. Eu tenho saudades. Eu tenho saudades.

Eu tenho saudades. Eu tenho saudades. Eu tenho saudades. Eu tenho saudades. Eu tenho saudades. Eu tenho saudades.

Eu tenho saudades. Eu tenho saudades. Eu tenho saudades. Eu tenho saudades. Eu tenho saudades. Eu tenho saudades.

Eu tenho saudades. Eu tenho saudades. Eu tenho saudades. Eu tenho saudades. Eu tenho saudades. Eu tenho saudades.

Eu tenho saudades. Eu tenho saudades. Eu tenho saudades. Eu tenho saudades. Eu tenho saudades. Eu tenho saudades.

Eu tenho saudades. Eu tenho saudades. Eu tenho saudades. Eu tenho saudades. Eu tenho saudades. Eu tenho saudades.

Não importa quantas vezes o diga… As saudades são sempre as mesmas.

Inté

Inês

Esclarecimentos

9
Nov
2009

Ora parece-me estar muita gente equivocada acerca dos pagamentos de mensagens e telefonemas para a minha pessoa.

Minha gente, como vocês se mantêm dentro da rede a que pertencem, o vosso tarifário fica igual quer me mandem mensagens, quer me telefonem! Portanto, há para aí montes de alminhas desnaturadas a ter chamadas e mensagens grátis para a minha pessoa. Mas calma, não se ponham a ligar feitos loucos. Se me mendarem uma mensagem eu não pago nada, afinal, eu nunca poderia controlar se queria ou não receber mensagens, portanto continua tudo de graça. Responder às mensagens já me custa qualquer coisa, mas menos do que os parvos 50 centimos que se pagavam há uns tempos. Já chamadas é diferente – não me liguem, senão eu pago que me lixo!

Conclusão: eu tenho desculpa para não comunicar com o resto do mundo através de telemóvel, já que para mim nada é de graça. Mas o resto do mundo, que tem quase tudo de graça, podia ir dizendo qualquer coisinha de vez em quando. E aproveitem a informação para dizer “olá” a outros amiguinhos emigrados. é sempre fofo.

Inté

Inês

Orgulhosa de mim

4
Nov
2009

Hoje comecei o dia muito mais cedo do que o que me mandvam horários. Comecei-o cedo por consciencia.

O trabalho está a acumular-se e não tem rendido nada. Além disso comecei finalmente o ginásio, portanto há que dar uso às maquinas. Para conseguir conjugar estes dois pontos de uma forma harmonioza, decidi, heroicamente, levantar-me as 7 da manhã e vir com a Manela para Portmouth. Acho que amanhã me vou arrepender disto, porque amanha acordo as 6.45 para vir para aulas. Mas hoje estou feliz!

Entrei no ginásio às 8.25, já vinha com fato de treino vestido de casa, coisas no cacifo e quis começar por enfrentar a passadeira, o meu pior inimigo. Eu odeio passadeira. Como pedir um programa especializado paga-se, mais vale experimentar os botões e usar os programas das maquinas. Escolhi o programa de cardio e a passadeira começou andar devagarinho. Pus a velocidade a 6.5 e achei que era melhor não abusar, porque o programa começou a contagem decrescente em 20 minutos e eu normalmnte só aguento 5. Pensei, sinceramente que não o ia fazer até ao fim, mas a única coisa que me fez abrandar o ritmo foi o querido do meu telemovel, que me estava a servir de Mp3 e passava a vida aos saltos da prateleira quando eu dava um esticão aos fones. Tenho de arranjar daquelas mangas de pendurar em algum lado, que calças de fato de treino não têm bolsos.

Feitos os 20 minutos as minhas queridas perna enferrujadas já se estavam a querer queixar, as lamechas. Era a vez da eliptica. Desta maquina eu já gosto um bocadinho. Acontece que montei o aparelhemetro armada em Xena,  princesa guerreira – que para, quem não sabe, era a rainha de uma tribo amazonica só de mulheres, numa série que eu via quando era pequena em que as amazonas eram todas branquinhas – e tornei a escolher o programa cardio. No inicio aquilo tava tão molezinho que me estava a irritar. Eu esqueci-me foi de reparar nos pauzinhos que indicam os graus de dificuldade do programa, então, ao fim de dois minutos, a resistência da maquina aumenta para 35 e ai pernas! Aguentei 5 minutos e achei que estava a exagerar, afinal eu não faço exercicio (em condições) desde os 12 anos. Para a próxima começo pela eliptica, que aquilo dá uma dor no pernil danado.

Saí da heliptica e fui fazer alongamentos, coisa que, parvamente, andava com a mania de que não era preciso – conclusão, pareço uma velha marreca e seca, tipo estaca que não dobra. É horrivel, as dores também são horriveis e a elasticidade não é nenhuma. Eu diria mesmo que está grave o nivel de elasticidade das minhas pernas.

Apesar de tudo, no fim dos alongamentos, não estava satisfeita. Então resolvi fazer mais dez minutos de bicicleta, a puxar a resistência para cima, que já que não ando nas normais, ao menos que ande em condições nas imitações. Amanhã não me vou conseguir mexer…

Esgotei o meu tempo de ginásio, banhinho, vestir, pentear – tudo muito demorado, tenho de ser mais rápida. Saí do ginásio tão satisfeita e quente que nem os 8 graus que estão lá fora me chatearam. Fazer exercicio deixa-me bem disposta.

Agora tenho de tirar da minha frente tudo o que não seja trabalho, que com a brincadeira de escrever isto, já perdi mais de meia hora.

Só para não deixar isto em branco, a caminho da biblioteca encontrei um carro com o seguinte auto-colante:

newdriver

Acham que se eu andar com isto no carro, os meus pais me deixam conduzir?

Inté

Inês

Portugal não é um país europeu…

3
Nov
2009

Foi o que disse o Holandês da minha turma, que por sinal se acha extremamente instruído e inteligente.